Imprensa

As vantagens do bom relacionamento com fornecedores

Dinâmico, criterioso, atento às inovações, tecnologias e tendências do mercado e, principalmente, envolvido com uma cadeia de fornecimento. De acordo com o Mestre em Administração e Engenheiro, Ítalo Coutinho, esse é o perfil ideal para os profissionais responsáveis pela gestão de compras.

Dentre todas essas habilidades, talvez a mais importante e, ao mesmo tempo, mais desafiadora é conseguir manter um bom relacionamento com diversos fornecedores. Os benefícios dessa prática são inúmeros e, para alcançar o sucesso, a gestão é primordial.

“Os fornecedores são parte integrante de todo o processo produtivo. Fornecimentos ineficientes afetam diretamente o desempenho do negócio. Com base nesta premissa, manter um bom relacionamento com os fornecedores é fundamental para a “saúde” da empresa e para gerar de bons resultados”, explica Luiz Fernando Albuquerque, Engenheiro, MBA em Gestão Empresarial.

O Mestre em Engenharia e Gestão de Processos e Sistemas, Francisco Cunha, professor do Ietec, ressalta que mantendo um bom relacionamento com os fornecedores, o grau de engajamento com o processo produtivo e qualidade do fornecimento aumentam. Além disso, surgem oportunidades para negociação e redução de custos.  Benefícios que serão espelhados no produto final ofertado por sua empresa.  “Quando os insumos de produção atendem aos requisitos de disponibilidade, custo e qualidade, o produto final da empresa fica melhor, aumentando, por consequência, a percepção de valor por parte dos clientes. Esse ciclo “Virtuoso” é fundamental para manter a empresa num alto nível de competitividade, ainda mais nos dias de hoje em que os recursos estão cada vez mais escassos” aponta Francisco Cunha.

Em complemento, Ítalo Coutinho, afirma que, para se estabelecerem no mercado, as empresas precisam criar com sua cadeia de fornecedores uma ligação de confiança mútua, qualidade do fornecimento e atendimento a prazos. “É bastante comum o setor de compras ficar focado em 3 ou 4 fornecedores, que são consultados frequentemente. Mais do que ter uma lista de fornecedores, é preciso trabalhar para mantê-la ativa”, ressalta o professor Ítalo Coutinho.

Ainda de acordo com o professor, a base de apoio desse relacionamento se estrutura no feedback e o envolvimento ativo em todo projeto.

Fez a consulta e aquele fornecedor não foi o escolhido, é importante retornar e informar que não foi desta vez. Outra prática é trazer os fornecedores para uma participação mais ativa do projeto, para que eles conheçam as necessidades e possam assim orçar em melhores condições”, explica Ítalo.

Além disso, Luiz Albuquerque afirma que para garantir essa relação positiva, é essencial a gestão do relacionamento, com regras, metas, acompanhamento, ações de correção e melhoria.

Como o fornecimento é a peça chave para a produção na maioria das empresas, é preciso evitar ruídos nesse contato, que podem ser causados, segundo Luiz Albuquerque, por fatores como a falta de uma comunicação eficiente e a deteriorização da confiança mútua. Para evitá-los, o engenheiro, recomenda gestão de comunicação e transparência. Além disso, o professor Ítalo Coutinho reforça que é imprescindível que se mantenha atualizada a lista de fornecedores, realize visitas a eles, participe de feiras e conheça novos proponentes.

O professor Francisco Cunha alerta sobre a existência de vários outros obstáculos que podem impactar negativamente nesse relacionamento. Dentre eles, Francisco aponta dois que requerem bastante atenção:

A Postura agressiva do Comprador e do Vendedor compromete a qualidade do processo de negociação. Nesses casos, ambos devem entender que o sucesso de um depende do sucesso do outro e posturas cordiais e o entendimento que objetivos comuns devem ser buscados melhoram o desempenho de ambos.  

A Falta de entendimento que os objetivos tanto do cliente como o do fornecedor devem ser convergentes. Esse obstáculo pode ser superado através da busca constante dos atores dessa relação por pontos comuns que gerem benefícios mútuos para ambos os lados. 

Mais do que apenas ter uma base teórica, segundo Luiz Albuquerque, o profissional que pretende atuar na área de gestão de compras deve desenvolver uma visão de todo o negócio da empresa, ser bom negociador e ter ótima capacidade relacionamento interpessoal. Já Francisco Cunha ressalta que “o Profissional que pretende se estabelecer com excelência nessa área deve possuir uma postura proativa, no sentido de buscar soluções para problemas e não identificar culpados ou obstáculos à realizações; deve ser criativo e possuir uma grande vontade de aprender e estudar. O Interesse por novas informações, mantendo-se sempre atualizado também são fundamentais”, concluí o professor.